segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Laços Coloridos | Janeiro Branco


Você provavelmente já ouviu falar em Outubro Rosa e/ou em Novembro Azul, ambos simbolizando, respectivamente, a luta contra o câncer de mama e próstata, mas você sabia que existem “cores” para simbolizar e ajudar na conscientização de outros diversos problemas que assombram milhares de pessoas todos os dias?

Em 2017 pretendo apresentar posts mensais contendo as cores e as batalhas que elas representam, começando com o Janeiro Branco que representa o mês da Saúde Mental (aqui no Brasil, já que a data mundial é em outubro).

Esse é o mês de conscientização e reflexão acerca da saúde mental, segundo a OMS não há uma definição exata, mas pode ser descrita como uma qualidade de vida cognitiva, um estado de bem-estar onde somos capazes de nos cuidar e tomar nossas próprias decisões usando nossas próprias habilidades.

O Projeto Janeiro Branco faz do mês de Janeiro um marco temporal estratégico para que todas as pessoas reflitam, debatam e planejem ações em prol da Saúde Mental e da Felicidade em suas vidas. Fonte

O Projeto, criado em 2014, se tornou lei recentemente na cidade de Uberlândia em MG, e os organizadores seguem na luta para que mais localidades entrem e ajudem na divulgação, saiba mais AQUI ou AQUI. Além disso, se mostra extremamente importante, pois a cada dia, problemas como ansiedade, depressão, stress prolongado, dependência química, perturbações psicologias,..., afetam a saúde mental da população, segundo a ADEB a cada 100 pessoas 30 sofrem de algum desses problemas, saiba mais AQUI.

Por isso, se você desconfia que alguém que você conhece, ou mesmo você, sofre por causa de algum desses problemas, procure ajuda profissional.

Livros relacionados


À procura de Audrey – Sophie Kinsella
Audrey, 14 anos, leva uma vida relativamente comum, até que começa a sofrer bullying na escola. Aos poucos, a menina perde completamente a vontade de estudar e conhecer novas pessoas. Sem coragem de sair de casa e escondida por um par de óculos escuros, a luz parece ter mesmo sumido de sua vida. Até que ela encontra Linus e aprende uma valiosa lição: mesmo perdida, uma pessoa pode encontrar o amor.


Cartas de Amor aos Mortos - Ava Dellaira
Tudo começa com uma tarefa para a escola: escrever uma carta para alguém que já morreu. Logo o caderno de Laurel está repleto de mensagens para Kurt Cobain, Janis Joplin, Amy Winehouse, Heath Ledger, Judy Garland, Elizabeth Bishop… apesar de ela jamais entregá-las à professora. Nessas cartas, ela analisa a história de cada uma dessas personalidades e tenta desvendar os mistérios que envolvem suas mortes. Ao mesmo tempo, conta sobre sua própria vida, como as amizades no novo colégio e seu primeiro amor: um garoto misterioso chamado Sky. Mas Laurel não pode escapar de seu passado. Só quando ela escrever a verdade sobre o que se passou com ela e com a irmã é que poderá aceitar o que aconteceu e perdoar May e a si mesma. E só quando enxergar a irmã como realmente era — encantadora e incrível, mas imperfeita como qualquer um — é que poderá seguir em frente e descobrir seu próprio caminho.

Depois a louca sou eu - Tati Bernardi
Em Depois a louca sou eu, Tati Bernardi escreve sobre a ansiedade com um estilo escrachado, ágil, inteligente e confessional. As crises de pânico, a mania de organização, os remédios tarja-preta e os efeitos da ansiedade em sua vida aparecem sob o filtro de uma cabeça fervilhante de pensamentos, mãos trêmulas, falta de ar e, sobretudo, humor. Tati consegue falar de um tema complicado, provocar gargalhadas e ainda manter o pacto de seriedade com o leitor. A capacidade de rir de si mesma confere a tudo isso distância, graça e humanidade. Depois a louca sou eu é a entrada em cena de uma escritora que ombreia com os melhores da nova literatura brasileira.

Ansiedade: Como Enfrentar o Mal do Século - Augusto Cury
Você sofre por antecipação? Acorda cansado? Não tolera trabalhar com pessoas lentas? Tem dores de cabeça ou muscular? Esquece-se das coisas com facilidade? Se você respondeu "sim" a alguma dessas questões, é bem provável que sofra da Síndrome do Pensamento Acelerado (SPA). Considerada pelo psiquiatra Augusto Cury como o novo mal do século, suplantando a depressão, ela acomete grande parte da população mundial. Neste livro, você entenderá como funciona a mente humana para ser capaz de desacelerar seu pensamento, gerir sua emoção de maneira eficaz e resgatar sua qualidade de vida.

O Lado Bom da Vida - Matthew Quick
Pat Peoples, um ex-professor na casa dos 30 anos, acaba de sair de uma instituição psiquiátrica. Convencido de que passou apenas alguns meses naquele 'lugar ruim', Pat não se lembra do que o fez ir para lá. O que sabe é que Nikki, sua esposa, quis que ficassem um 'tempo separados'. Tentando recompor o quebra-cabeça de sua memória, agora repleta de lapsos, ele ainda precisa enfrentar uma realidade que não parece muito promissora. Com o pai se recusando a falar com ele, a esposa negando-se a aceitar revê-lo e os amigos evitando comentar o que aconteceu antes de sua internação, Pat, agora viciado em exercícios físicos, está determinado a reorganizar as coisas e reconquistar sua mulher, porque acredita em finais felizes e no lado bom da vida.

Redoma - Meg Wolitzer
Se a vida fosse justa, Jam Gallahue estaria vivendo sua vida tranquila em Nova Jersey, assistindo a séries de comédia e abraçando seu namorado, Reeve Maxfield. Ela não estaria infeliz e sem vontade de se levantar da cama, nem estaria em um internato para adolescentes “emocionalmente frágeis”, com uma colega de quarto esquisita. Mas a vida não é justa, Jam perdeu seu primeiro amor e está completamente perdida.
A mudança de escola parece a única possibilidade de recuperação para a garota, que passou quase um ano mergulhada em tristeza. No entanto, ela odeia a nova rotina e decide levar tudo com o menor esforço possível. Por isso, Jam fica bastante surpresa quando descobre que foi selecionada para a exclusiva e lendária aula de “Tópicos Especiais em Inglês”, da misteriosa Sra. Quenell.A turma tem mais quatro estudantes, todos com histórico de traumas ainda piores que os de Jam. Mesmo assim, a professora parece não se importar com a fragilidade de seus alunos quando escolhe o livro que trabalhará durante o semestre: A redoma de vidro, de Sylvia Plath. O romance, que narra a série de eventos que levariam a estudante Esther Greenwood a um colapso nervoso, parece a opção mais improvável, e talvez inadequada, para adolescentes que ainda estão superando experiências difíceis.Além das discussões sobre o livro, cada aluno tem a tarefa de escrever em um diário entregue pela professora. E é esse trabalho que leva Jam e seus amigos desajustados à Redoma, um lugar misterioso onde o passado pode ser revivido, e cada um dos alunos pode rever sua vida antes do momento traumático que levou ao internato. Repleto de referências ao clássico de Sylvia Plath, Redoma é um romance sobre o primeiro amor, o sofrimento profundo, o amadurecimento e os problemas de aceitação na adolescência. É também uma história sobre como a amizade pode ajudar a superar os piores traumas da vida.

Mrs. Dalloway - Virginia Woolf

Inglaterra, década de 1920. A dona de casa da alta sociedade londrina Clarissa Dalloway está ansiosa. Escolhas que ela fez décadas atrás estão sob avaliação e amigos de uma vida inteira aparecerão naquela noite para uma festa que ela prepara. Paralelamente, Septimus, um veterano da I Guerra Mundial, sofre de stress pós-traumático e tem alucinações. Com sensibilidade, a escritora inglesa Virginia Woolf narra um dia na vida da Sra. Dalloway e dos coadjuvantes. Todos em crises repletas de nuances psicológicas, eles vivem momentos decisivos em suas vidas. O personagem Septimus carrega uma crítica aos métodos médicos para tratamentos de doenças mentais daquela época. Mrs. Dalloway é considerada uma das principais obras da escritora. Woolf cometeu suicídio afogando-se num rio aos 59 anos. Questionadora de padrões sociais, ela entrou para a história como ícone literário, feminista e LGBT, além de ela própria ter sofrido intensamente com bipolaridade e episódios de profunda depressão.

Um comentário:

  1. Oie Pah,

    eu não sabia desse Janeiro Branco. Mas apoio a ideia, deveria ser uma campanha nacional, igual as outras, porque é de suma importância o tratamento das doenças.
    Acho que precisa de muita conscientização, porque muita gente ainda acha que depressão não é doença. Torço para que se expanda a campanha!

    =)


    www.EveryLittleBook.com.br

    ResponderExcluir


Se Chegou até aqui que tal comentar?!


Sua opinião é importante, assim sei o que está achando. Além disso, comentários são bem vindos, mas seja educado ;)

- AVISO: O blog NÃO disponibiliza livros para download, e NÃO permite comentários que contenham links para essa finalidade.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...